Home / Comunicação

Notícias

Home / Comunicação

Notícias

Pesquisa aponta para disparidade étnico/racial na mortalidade por Covid

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Uma pesquisa publicada recentemente por um grupo de pesquisadores do Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (PPGCS) da Universidade Federal do Rio Grande (Furg) apontou um cenário de disparidade étnico/racial nas mortes por Covid-19 no Brasil.

 

O estudo, orientado pelo professor Flavio Rodrigues, coletou os dados de mortes por Covid-19 no ano de 2020 do Portal da Transparência do Registro Civil de Óbitos de todos os estados brasileiros e suas respectivas capitais, com o objetivo de calcular as taxas de mortalidade por Covid entre as diferentes etnias/raças. O estudo concluiu que as taxas de mortalidade pela doença foram maiores entre não-brancos (pretos, pardos ou indígenas) em 25 unidades federativas e entre as capitais, 26 mostraram maiores taxas de mortalidade por Covid-19 entre não-brancos (a exceção foi a capital federal, Brasília).

 

O estudo apontou que as maiores taxas de mortalidade por coronavírus no Rio Grande do Sul foram entre indígenas (138 mortes por 100 mil habitantes) e pretos (137,9 mortes por 100 mil habitantes). A taxa de mortalidade entre brancos foi de 81,2 mortes por 100 mil habitantes (cerca de 40% menor que a taxa entre indígenas e pretos).

 

Em Porto Alegre, os dados foram ainda mais alarmantes e a taxa de mortalidade entre pretos foi de 312,3 mortes por 100 mil habitantes, muito superior à taxa de óbitos entre brancos (169,6 mortes por 100 mil habitantes).

 

Outro ponto crítico relevado pela pesquisa é a alta taxa de subnotificação da etnia/raça entre as mortes por Covid. A ausência de notificação da etnia/raça chegou a mais de 70% em alguns estados, como Bahia e Minas Gerais. “A subnotificação ou mau preenchimento de informações nas bases de dados governamentais é um importante vilão da consolidação de políticas públicas no país”, aponta o professor Flavio Rodrigues.

 

Outro dado trazido pelo estudo é o número de mortes em excesso (além do esperado) por Covid entre não-brancos. Os pesquisadores calculam mais de 9,3 mil mortes em excesso entre não-brancos no ano de 2020, decorrentes da disparidade nas taxas de mortalidade, sendo a maior parte destas mortes em excesso nas capitais dos estados. No RS, o percentual de mortes além do esperado entre não-brancos ultrapassou 30%. As dimensões continentais do Brasil e as desigualdades socioeconômicas provavelmente exacerbam as disparidades étnico/raciais nas mortes por Covid. Entre as causas desta mortalidade superior entre não-brancos, estão o menor acesso a serviços de saúde, as condições de moradia mais precárias e uma maior exposição ao vírus.​

 

Fonte: Diário Popular

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Logo-Arpen-BR-MA