Home / Comunicação

Notícias

Home / Comunicação

Notícias

Cibercriminosos utilizam nome de órgãos públicos para aplicar golpes

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Por Miguel Rocha Junior*

Golpes envolvendo nome de órgãos públicos têm sido cada vez mais frequentes. O crime, que muitas vezes ocorre no ambiente virtual, como pelo envio de e-mail e mensagens de Whatsapp e SMS, leva a vítima a acreditar que está se comunicando com essas instituições de confiança para, com isso, retirar dela informações importantes, como dados pessoais ou, até mesmo, dinheiro, com o pagamento de boletos.

Exemplos de golpes como esse já aconteceram com o nome de cartórios extrajudiciais, sob a justificativa de comunicar um protesto, com os tribunais de justiça estaduais, como o TJDFT e o TJSP, comunicando sobre audiências falsas, com o Detran DF, comunicando multas, com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), com criminosos se passando por funcionários para comunicar pagamentos de expurgos inflacionários da poupança, e vários outros.

Normalmente, nessas mensagens, os criminosos, passando-se pelo órgão oficial, pedem que a vítima clique em um ícone, porém, ao realizar esta ação, automaticamente a pessoa é direcionada a uma página maliciosa. Além dos criminosos ficarem com os dados, quando há pagamento de boletos, esses documentos não têm conexão alguma com algum débito em nome da vítima, sendo, a quantia, enviada para os criminosos.

Recentemente, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo alertou para a utilização de cópias falsas de certidão de inteiro teor de Registro Civil (nascimento e casamento). Os criminosos estavam colocando no documento falso “QR Code” para consulta de validade de selo digital, que remetia para uma página forjada. As certidões originais expedidas por unidades extrajudiciais do Estado de fato possuem um código escaneável para verificação de autenticidade e remetem para o endereço https://selodigital.tjsp.jus.br.

No Distrito Federal, o golpe envolvia leilões virtuais falsos. A prática foi alertada pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios. O órgão explica que é importante ficar atento a alguns pontos fundamentais para evitar se tornar uma vítima de criminosos.

Uma forma de se proteger de possíveis golpes é pesquisar na internet os números dos telefones informados em documentos ou e-mails recebidos. É comum haver registro nos sites eletrônicos de reclamação.

Para maior chance de sucesso, os cibercriminosos usam logotipos, cores e slogan das marcas para dar mais veracidade ao e-mail. Por mais que pareça ser uma mensagem verdadeira, desconfie.

Caso a comunicação recebida oriente a clicar em determinado endereço de internet, observe a extensão das páginas indicadas. Os sites de internet de órgãos públicos oficiais brasileiros têm endereços que terminam em.jus.br (Poder Judiciário), .gov.br (Poder Executivo) e .leg.br (Poder Legislativo).

*Miguel Rocha Junior é um dos fundadores da Escriba Informatização Notarial e Registral, além de CEO da empresa.

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Logo-Arpen-BR-MA