Home / Comunicação

Notícias

Home / Comunicação

Notícias

Barra do Corda – Cartórios registram o janeiro mais mortal da série histórica no Maranhão

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O aumento de casos de COVID-19 causados pela variante ômicron e seus diferentes reflexos no organismo humano pode ser uma das explicações para o recorde histórico de óbitos registrados pelos Cartórios de Registro Civil maranhenses em janeiro de 2022, o mais mortal desde o início da série histórica em 2003, com um aumento de mais de 92% nos falecimentos por pneumonia em comparação ao mesmo mês de 2021.

 

Em janeiro de 2022 foram registrados 2.736 óbitos no país, um aumento de 13,7% em relação a 2021, que registrou 2.405 mortes no mês, e que já havia registrado crescimento de 19% nas mortes em relação a janeiro de 2020, ainda antes do início da pandemia no país. Já as mortes por pneumonia passaram de 152 em janeiro de 2021 para 293 neste ano. Em 2020, antes da pandemia, foram 128 mortes pela doença.

 

Os dados constam no Portal da Transparência do Registro Civil (https://transparencia.registrocivil.org.br/inicio), base de dados administrada pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen/BR), abastecida em tempo real pelos atos de nascimentos, casamentos e óbitos praticados pelos 7.658 Cartórios de Registro Civil do País — presentes em todos os 5.570 municípios brasileiros -, e cruzados com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que utilizam como base os dados dos próprios cartórios brasileiros.

 

Outro dado observado pelos números de óbitos registrados pelos Cartórios do Maranhão está relacionado ao crescimento de mortes por doenças do coração em janeiro deste ano na comparação com o primeiro mês do ano passado: AVC (27%), Infarto (11%) e Causas Cardiovasculas Inespecíficas (16%). Também registraram crescimento as mortes por Septicemia (23%), Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) (44%) e Indeterminada (14%). Já os óbitos por Covid-19 tiveram redução de 9,36% no período.

 

“Com o bom trabalho executado pelos Cartórios do Maranhão, nota-se o considerável aumento nos registros de óbitos, além de haver um crescimento nas mortes por pneumonia, de 92%. Apesar de todo esse aumento de óbitos no estado, houve uma diminuição muito esperançosa nas mortes por Covid-19, mesmo com as variantes, em especial da ômicron”, disse Devanir Garcia, presidente da Arpen/MA. “Esperamos que essa diminuição, mesmo que imperceptível, continue acontecendo e que os registros históricos sejam outros daqui algum tempo”, completou.

 

Mortes Violentas crescem

Enquanto o total de mortes em janeiro de 2022 no Maranhão cresceu 13%, os falecimentos por Mortes Naturais — aquelas causadas por doenças — cresceram 14%. Já as Mortes por Causas Violentas — aquelas em razão de homicídios, acidentes de veículos, suicídio, entre outras — aumentaram 8%, o que mostra que a diminuição do isolamento eleva os índices de óbitos em razão de acidentes e crimes. Na comparação de janeiro de 2020, antes do isolamento, com janeiro de 2021, houve queda de 14% nas Mortes Violentas.

 

O número de óbitos registrados nos meses de 2022 ainda pode vir a aumentar, assim como a variação da média anual e do período, uma vez que os prazos para registros chegam a prever um intervalo de até 15 dias entre o falecimento e o lançamento do registro no Portal da Transparência. Além disso, alguns estados brasileiros expandiram o prazo legal para comunicação de registros em razão da situação de emergência causada pela COVID-19.

 

Sobre a Arpen/MA

Fundada em fevereiro de 2014, a Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado do Maranhão (Arpen-MA) representa os titulares Cartórios de Registro Civil, que atendem a população nos municípios do Estado do Maranhão. É no Registro Civil que são realizados os principais atos da vida civil de uma pessoa, a exemplo do registro de nascimento, casamento, emancipação e óbito.

 

Assessoria de Imprensa da Arpen-MA

Assessores de Comunicação: Amanda Neco e Alexandre Lacerda

E-mail: [email protected]

; [email protected]

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin