Home / Comunicação

Notícias

Home / Comunicação

Notícias

Painel “Identidade do registro civil como concretização da autodeterminação informativa” abre Conarci Acadêmico 2023

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
As autoras dos três artigos selecionados do primeiro painel do Conarci Acadêmico, com o tema “A identidade do Registro Civil como concretização da autodeterminação informativa”. Foto/divulgação: Arpen-Brasil.

O primeiro painel do Conarci Acadêmico 2023, realizado na manhã desta quinta-feira (28), trouxe trabalhos sobre o tema “Identidade do Registro Civil como Concretização da Autodeterminação Informativa” para o centro dos debates do Registro Civil de Pessoas Naturais. O evento científico que chega a sua segunda edição, integra a programação do XXIX Congresso Nacional de Registro Civil – Conarci 2023, organizado pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil).

Com moderação da Profa. Dra. Mónica Jardim, professora-doutora em direito civil pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, presidente do centro de estudos notariais e registais e membro cooptado, por reconhecido mérito científico, do Conselho do Notariado de Portugal, o painel contou com a apresentação de três artigos.

Os temas foram: “A alteração imotivada de prenome diretamente no Registro Civil das Pessoas Naturais como fator de concretização da autodeterminação informativa da comunidade LGBTQIA+”, “Cartografando o ‘Eu’: A identidade do Registro Civil como expressão da autodeterminação informativa” e “O Registro Civil e os Apátridas – A necessidade de Registro para o efetivo acolhimento daqueles que não existiam oficialmente”.

 

Foto/Divulgação: Arpen-Brasil.

 

Mayra Zago de Gouveia Maia Leime, titular do Cartório do Oficial de Registro Civil das Pessoas Naturais e de Interdições e Tutelas da Comarca de Socorro- SP, iniciou a apresentação com o artigo “A alteração imotivada de prenome diretamente no Registro Civil das Pessoas Naturais como fator de concretização da autodeterminação informativa da comunidade LGBTQIA+”.

“O nome social aparece ao lado do nome registral. Muitas vezes expondo as pessoas. Apesar de dar uma aparência de aceitação, ela não é. A Lei 14.382 permitiu que qualquer pessoa pudesse alterar o nome dela. E isso fez com que ela tivesse a autodeterminação, podendo ser reconhecida como ela escolheu”, enfatiza.

Dra. Monica Jardim parabenizou a autora pelo artigo e ressaltou a sua importância para os dias atuais.

 

Foto/divulgação: Arpen-Brasil.

Seguindo a apresentação dos trabalhos, Karin Rick Rosa expôs o artigo “Cartografando o ‘Eu’: A identidade do Registro Civil como expressão da autodeterminação informativa”. Karin tem mestrado em Direito Público pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, é advogada, assessora jurídica do Colégio Notarial do Brasil e professora de Direito Civil e Direito Notarial e Registral na mesma faculdade em que fez o mestrado.

Karin comemorou estar participando presencialmente do evento. Em 2022 ela participou de forma on-line.

“O registro civil de pessoas naturais é o registro-mãe. É o primeiro registro que vai formar os dados pessoais. E é o que inicia a identicidade civil e é essa identidade que torna qualquer nascido um cidadão e é importante que todos os dados estejam corretos, para que não haja nenhum problema futuro”.

 

Foto/divulgação: Arpen-Brasil.

Para o último artigo apresentado, Natalia Gentil Iucif Ilario, titular do Cartório Oficial de Registro Civil Das Pessoas Naturais e de Interdições e Tutelas da Comarca de Hortolândia- SP trouxe o artigo: “O Registro Civil e os Apátridas – A necessidade de Registro para o efetivo acolhimento daqueles que não existiam oficialmente”.

“Embora os brasileiros naturalizados tenham a garantia de direitos e igualdade permitida na Constituição Federal, eles não têm a certidão de nascimento registrada nos nossos assentos. É importante que isso seja debatido para que essas pessoas sejam completamente reconhecidas como brasileiros natos”.

O Conarci Acadêmico 2023 recebeu 35 artigos que foram avaliados de forma cega pelo Comitê Científico que teve coordenação do Prof. Dr. Gustavo Ferraz de Campos Mônaco e vice-coordenação do Dr. Alberto Gentil de Almeida Pedroso. Ao final das apresentações, os três melhores artigos apresentados serão premiados.

Fonte: Assessoria de Comunicação – Arpen-Brasil

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Buscar no site

Notícias Recentes