Home / Comunicação

Notícias

Home / Comunicação

Notícias

Corregedoria Nacional de Justiça aponta melhoria da gestão da CGJ-MA

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Foram divulgados os resultados da Inspeção Ordinária da Corregedoria Nacional de Justiça na Corregedoria Geral da Justiça do Maranhão (CGJ-MA), realizada de 8 a 12 de novembro de 2021. O relatório da equipe de inspeção registra, com destaque, que houve “significativa melhora na gestão da Corregedoria”, “de forma estrutural e mediante organização dos trabalhos implementados pelo atual corregedor”, desembargador Paulo Velten (20/22).

 

O relatório de inspeção mostra, por meio de tabelas e gráficos, o levantamento da situação dos setores judiciais e administrativos, da organização dos serviços e métodos de trabalho; administração dos processos administrativos e disciplinares, cumprimento de normas, controle da produtividade dos magistrados e atendimento às partes e advogados. 

 

A Corregedoria Nacional analisou, por amostragem, onze processos em tramitação no órgão corregedor e registrou não ter encontrado, quanto ao aspecto formal dos autos, “a presença de irregularidades grave”, nem a ocorrência de “prática indevida ou atentatória aos deveres impostos aos magistrados ou mesmo à dignidade da Justiça”. De outro lado, registrou que “a divisão de tarefas na unidade aparenta ser bem definida entre os juízes (auxiliares), coordenadores, assessores e servidores”.

 

FLUXO PROCESSUAL

Segundo o relatório da inspeção, nos 12 meses anteriores ao período avaliado, foram autuados 10.762 processos (10.228 no sistema Digidoc e 534 no sistema PJe) na Corregedoria do Judiciário maranhense. Dentre os processos em tramitação naquele período, 11.343 foram apreciados e baixados definitivamente; 4.676 tiveram decisões judiciais, 2.909 foram suspensos; 2.923 foram retomados e 23 remetidos para o colegiado do Tribunal de Justiça do Maranhão para julgamento.

 

Dentre os procedimentos disciplinares contra juízes, 120 processos foram distribuídos junto à Corregedoria maranhense nos últimos 12 meses, sendo 46 reclamações disciplinares (38 julgados e 7 conclusos para decisão) e 74 pedidos de providências (59 julgados e 10 conclusos). Os processos contra servidores foram 153 (76 julgados, 24 conclusos para decisão, 42 sobrestados e cinco paralisados há mais de 100 dias). Já os delegatários dos cartórios foram alvo de 450 processos disciplinares distribuídos, sendo julgados 387, conclusos 24 para decisão e 39 sobrestados e 4 paralisados há mais de 100 dias.

 

METAS DE PRODUTIVIDADE

O CNJ listou 72 unidades judiciais em todo o Estado que foram diagnosticadas e classificadas, pela CGJ-MA, nos grupos “crítico”, “acompanhamento”, “atenção” ou “controle”, quanto ao cumprimento das Metas 1 e 2 do Judiciário nacional, conforme “Programa de Acompanhamento das Unidades do 1º Grau” em atenção à Diretriz Estratégica 1/2021 da Corregedoria Nacional de Justiça.

 

Cinco unidades judiciais – 3 de São Luís e duas do interior – foram identificadas com o maior volume de representações por excesso de prazo junto ao órgão corregedor: 7ª Vara Cível de São Luís (10); 2ª Vara da Fazenda Pública de São Luís (8); 1ª Vara Cível de Imperatriz (7); 1ª Vara da Fazenda Pública de São Luís (5) e 1ª Vara Cível de Bacabal (5).

Segundo informações da Coordenadoria de Planejamento e Aprimoramento da CGJ-MA, essas unidades, com exceção da 1ª Vara da Fazenda Pública, já estão com um plano tático de ações estratégicas em execução e em acompanhamento pelo órgão, visando à melhoria do desempenho.

 

CORREIÇÕES E INSPEÇÕES

O documento informa que, nos últimos 12 meses, foram realizadas 55 inspeções e 104 correições nas unidades judiciárias pela CGJ-MA, de maioria presencial, apesar da pandemia. 

 

“Dentre as ocorrências mais comuns observadas nas inspeções das unidades judiciais a Corregedoria destacou acervo paralisado há mais de 100 dias em Secretarias e gabinetes judiciais; taxas de congestionamento de julgamento ou de baixa, além de questões pontuais referentes à gestão da unidade; déficit de servidores; e reclamações sobre a internet”.

 

Nesses casos, a equipe de inspeção do CNJ recomendou que sejam feitas orientações “menos genéricas e mais concretas” sobre os problemas verificados em cada unidade: “as   orientações e determinações às unidades inspecionadas devem incluir, em acréscimo às de caráter geral atualmente formuladas, a indicação de soluções mais concretas para as peculiaridades e os problemas verificados em cada unidade”, conclui o relatório.

 

Assessoria de Comunicação
Corregedoria Geral da Justiça
[email protected]

Compartilhe está notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin